Ex-Flamengo conta como era envelope ‘secreto’ de Ronaldinho Gaúcho que fazia alegria de funcionários
14/12/2023

PUBLICIDADE

Durante a passagem pelo Flamengo, entre 2011 e 2012, Ronaldinho Gaúcho cativou os colegas de equipe e também conquistou os funcionários do clube rubro-negro. Além da alegria e da simpatia no dia a dia, o craque tinha um hábito pouco conhecido pelo público.

De acordo com o goleiro Paulo Victor, que ficou na Gávea de 2004 a 2016, o astro ajudava financeiramente os empregados que trabalhavam no clube carioca.

“Ronaldinho era fantástico! Ele não comentava isso. Todo mês colocava um envelope bordô para cada funcionário do clube, mas fazia isso em silêncio. Ajudava todos que estavam ao redor”, contou.

A fama do astro, que brilhou com a camisa do Barcelona, impressionava o arqueiro durante as viagens pelo Brasil.

“Eu ficava bobo de ver como ele parava o aeroporto.

PUBLICIDADE

Quando (a delegação do Flamengo) chegava, a gente falava: ‘Solta o Ronaldinho para um lado, e a gente ia para o outro porque ninguém vai querer saber da gente’ (risos)”, contou.

De acordo com o goleiro, o craque não tirava o sorriso do rosto mesmo nos momentos de maior dificuldade.

“Ele é bom astral. Você não o vê ele falar mal de ninguém nunca. Mesmo quando a mídia ‘batia’ nele. Nunca dava satisfação e aprendi com ele. Na nossa vida precisamos aceitar as críticas, algumas vezes nos machuca e são covardia por pessoas que não vivem o nosso dia a dia. As pessoas falando coisas dele que não eram verdade, mas ele sempre na dele, tranquilo e levando a vida”, afirmou.

Paulo Victor diz que foi um privilegiado por poder testemunhar alguns lances de enorme habilidade feitos por Ronaldinho durante os treinamentos na Gávea.

PUBLICIDADE

“Ter jogador com ele foi um sonho realizado e vai ficar no meu coração para sempre. No primeiro treino coletivo, ele tentou faze rum gol do meio de campo. Todo mundo estava posicionado para uma coisa, mas ele fazia algo diferente. Era impressionante! Ele cobrava a falta por baixo da barreira. Ele pensava nas coisas antes. Essa magia dele fazia cair o queixo da gente”, disse.

“Eu pedia sempre para que o Ronaldinho desse um elástico porque só tinha visto esse lance pela televisão. Em um jogo da Copa do Brasil, ele fez e depois falou: ‘Pronto, agora você não vai me pedir mais, né?’ (risos)'”, finalizou.

PUBLICIDADE

AD
Artigo
Flash news